Não deixe o medo te paralisar

Medo é bom até certo ponto. O medo funciona como proteção, impedindo que a gente se coloque em situações de risco. O medo de se queimar faz com que a gente não coloque a mão no fogo. O medo de se afogar faz a gente não entrar muito no mar. O medo de ser assaltado faz a gente evitar sair de casa à noite e por aí vai…

O medo em demasia, porém, ao invés de medida de proteção, é destrutivo. Ao invés de fazer com que a gente aja com cautela, ele paralisa. E aí a gente não faz mais nada… Medo em excesso gera ansiedade. Ao invés de simplesmente agir, pensamos em tudo que pode acontecer de errado. Já pensou estar andando na rua, tropeçar, bater a cabeça e morrer? Aí já não é nem mais ansiedade, né, é paranoia mesmo.

Sim, existe a possibilidade de estar andando na rua, tropeçar, bater a cabeça e morrer, por mais trágico que pareça. Mas não precisa ser nenhum gênio pra saber que a chance disso acontecer é mínima. Tão insignificante que ninguém em sã consciência deixa de andar na rua por causa disso.

E se o risco for maior? Um ginasta, por exemplo, num salto ou manobra que não seja bem executada, tem uma chance muito maior de bater a cabeça e eventualmente até morrer.  Sim, existem casos de ginastas que se acidentaram, alguns até de forma fatal. E, ainda assim, a prática continua e muitos ginastas estão por aí superando seus limites e conquistando medalhas.

Não deixe o medo virar uma camisa de força!

O ganho é proporcional ao risco. Já ouviu falar nisso? Com certeza quem aposta na bolsa de valores já. E faz todo sentido, afinal, se você está correndo um risco maior, nada mais natural que a recompensa seja proporcionalmente mais vantajosa. Isso vale na bolsa e na vida também.

A questão não é simplesmente sair se arriscando por aí sem pensar nas consequências porque elas existem. E sim aprender a mensurar esses riscos de forma adequada. O peso do medo não pode ser maior do que todas as possibilidades de dar certo ou até de não dar em nada juntas, senão paralisa.

Superar nossos medos é essencial para evoluirmos. Pode ser o medo de falar em público, de saltar de paraquedas, de se declarar à pessoa amada ou abrir o próprio negócio. Pode dar certo, pode não dar em nada e pode dar errado. Independente do resultado, porém, o saldo sempre é positivo. A atitude de enfrentar o medo, por si só, é capaz de gerar transformações internas incríveis, mas só há um jeito de saber. E não é fazendo nada.

Anúncios

Se a vida te dá um limão, faça uma limonada! Ou caipirinha mesmo.

Nem sempre as coisas acontecem como gostaríamos. Tem gente que diz que é por um bom motivo, que isso acontece porque aquela coisa que a gente queria na verdade não é a melhor coisa pra gente. Então, ao invés de a coisa acontecer e a gente perceber que não era isso que a gente queria, a coisa simplesmente não acontece ou acontece de forma diferente, como se fosse uma espécie de proteção divina, algo assim.

Pode ser que seja mesmo algum tipo de proteção divina. Ou pode ser também uma forma de autoproteção para impedir que a gente sofra ou caia em depressão – vamos ser sinceros, né? Pode sim! Fato é que as coisas realmente nem sempre acontecem como a gente gostaria que elas acontecessem. E temos que lidar com isso.

limao3

Se a vida te der um limão, faça uma limonada. Doce!

Acho que este é o ponto fundamental: a forma que lidamos com as coisas, sejam elas boas ou ruins, inesperadas ou não. Na verdade, acho que é isso que determina basicamente tudo na nossa vida. Manter uma atitude positiva nem sempre é fácil. Às vezes chega a parecer forçação de barra mesmo. Vai dizer que você gostaria de perder o avião ou que alguém batesse no seu carro? Eu não acredito!

De uns tempos pra cá, venho tentando ser mais aberta, no sentido de me permitir viver coisas diferentes das quais imaginei. Isso envolve desde experimentar um prato novo no restaurante, acompanhar minhas amigas numa festa que aparentemente não me atrai (escrevi sobre isso no texto “Se tiver oportunidade de sair, saia!”) e até a pensar sobre novas possibilidades profissionais. E isso está me fazendo bem. Estou aprendendo a ser mais tolerante e, principalmente, a me conhecer melhor.

Ver as coisas por um ângulo diferente e quebrar nossos próprios paradigmas não é tarefa fácil, pelo contrário! Em compensação, principalmente em situações adversas, esse tipo de atitude ajuda muito a encontrar soluções que, na nossa forma habitual de agir, não seria possível. Dizem que ‘se você quer ter resultados diferentes, deve fazer coisas diferentes’. Eu concordo. Mas antes de fazer coisas diferentes, eu acho que o mais importante é ver as coisas de forma diferente. Isso vai inclusive determinar o que faremos com os limões da vida: malabarismos no farol ou uma doce limonada. Ou caipirinha, vai! 😉