Quase uma terapia de grupo…

Estávamos em quatro amigas, fazia sol e o frio dava uma trégua para o sol brilhar. Decidimos dar uma caminhada no parque para aproveitar o dia. Após garantirmos a primeira foto do grupo, não demorou muito para entrarmos no assunto que dominaria o resto do passeio: relacionamentos. Você deve estar pensando: nossa, quanta surpresa! É, pois é, nenhuma… Mas se pensarmos que cada pessoa é diferente e cada novo relacionamento envolve uma pessoa diferente num momento diferente, dá pra ver que trata-se de um tema inesgotável…

girls3

A foto do grupo, tentando mostrar a aguinha lá atrás.

Vou contar aqui os dramas de cada uma sem entrar em muitos detalhes, lógico. Talvez você se identifique com alguma das situações abaixo:

Caso 1: A menina está saindo com o cara há alguns meses. Como boa observadora que é, percebeu que faltam as ‘pequenas atitudes’, os ‘detalhes’, como ela chamou. E parece que nem precisou de lupa pra ver isso. Exemplo:  O crush a chamou para sair e eis que chega um amigo do dito cujo e se junta o casal. A menina diz que está com sede e adivinha quem prontamente se oferece para pegar uma bebida? Acertou quem pensou no amigo furão, que mostra possuir a habilidade de prestar atenção aos detalhes, diferente do crush, que, a essa altura, já está prestes a virar ex.

Caso 2: A menina está namorando há nove meses, tempo suficiente para gerar uma criança, mas não ainda para estabelecer um elo de confiança sólido, ao menos não neste caso. Em apenas uma noite longe do amado, perdeu as contas do número de mensagens e ligações do amorzinho, que parece não entender que, se ela quiser fazer alguma coisa que não deve, vai fazer isso independente de onde estiver, pois não se trata de uma questão de geolocalização.

Caso 3: Bastante semelhante ao caso anterior, só que aqui eles ainda não estão namorando. O rapaz dessa história mais parece um personal stylist e não consegue deixar de dar pitaco na roupa da moça. Ao que tudo indica, é fã dos clássicos, cortes retos e longos. Ah! Ele também tem vocação para ‘gps’: fica todo o tempo tentando achar a localização exata da moça. Quer pedi-la em namoro, mas parece que ela gosta mesmo é do waze, que mostra o caminho para onde ela quer chegar.

Caso 4: Típico rolo: a coisa parece evoluir e depois para. Volta. Evolui. E no fim não se sabe mais se o relacionamento está evoluindo ou se é uma dessas paradas de parque temático, que ficam andando em círculos e não levam a lugar algum. Parece que o menino tem o incrível poder de desaparecer e reaparecer das formas mais espetaculares. Agora, quem está planejando sair de cena, é ela.

Muito se fala em sororidade hoje em dia e não há momento em que este sentimento aflore com tanta genuinidade quanto esse. As histórias são diferentes, assim como as pessoas envolvidas, mas sempre tem alguma coisa que gera identificação com as ‘sisters’. Todos os relacionamentos têm problemas e, se às vezes é difícil encontrar uma solução, é reconfortante saber que não estamos sozinhas. Salve sororidade!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s